Arquivo da categoria: Fazer bem e fazer mal

Crônica Final

Aqui estou eu, com a minha bebibda barata e sozinho. Eu percebi, não faz muito tempo, que se trata de um maldito ciclo vicioso que eu não faço idéia de quando e como começou, estou sozinho porque bebo demais e sou chato, e sou chato e bebo demais porque estou sozinho.
Eu acho até que estou virando um alcoolatra, mas vou ficar aqui fingindo que não sei.
Fiquei durante anos vagando pela internet, pelos parques, pelas festas e por todos os lugares em que eu pudesse encontrar pessoas reais ou não pra tentam encontrar alguém que preenchesse o vazio que ela deixou, e ninguém pôde. Ninguém pode.
O que eu posso fazer é embreagar minha mente de alcool, drogas lícitas e ilícitas, comidas gordurosas e TV, pois de resto viver não me cabe mais, vou ficar aqui como Dom Casmurro simplesmente tentando compreender a sequencia de eventos que me trouxe a esse momento, amargo pelo fato de saber que foi tudo culpa minha por tentar ser algo que eu não sou e nunca fui.
No final não importa mais se você é bom ou mal, só importa que ela não está com você.

.

.

.

Uhhhhhhhh
Eis o final das crônicas. Não, não publico elas na ordem que elas acontecem.


Crônica 12

E então eu falei com as duas e elas me levaram pra casa de uma delas e deus, eu blasfemo muito, elas eram insaciaveis, transei com elas como nunca tinha transado antes, e elas transaram entre elas por que eu não aguentava mais e depois quando elas se cansaram até de si mesmas e a luz apagou, eu me encolhi num canto e chorei. Chorei porque senti naquele instante a falta terrível que a Laura fazia, ah Laura, ah Laura, eu choramingava encolhido num sofá de dois lugares e lágrimas escorriam pelo meu rosto tanto por causa da bebiba, quanto por causa da alergia e da falta que Laura fazia, uma falta, eu percebi agora e só agora, que jamais seria preenchida de novo, pois não existia outra garota como Laura, não com os mesmo defeitos, com os mesmos mimos, com aquele sorriso cínico, ah Laura, ah Laura, eu choramingava e agora era só a bebida falando. Fiquei ali acordado enquanto a escuridão me engulia mais e mais e mais até eu ser tão parte da escuridão que eu não podia ver meus braços ou sentir meus dedos em meu rosto, mas eu cheguei a conclusão de que estava sonhando, ou tendo um enorme pesadelo.
Laura jamais voltaria, Laura jamais estivera lá, Laura nem existia mais, só a falta que ela fazia e a idéia de que era por causa dessa falta estava fazendo da minha vida um inferno, mas eu sabia que era mentira: não era a falta que Laura fazia, mas era melhor acreditar que era, mais fácil do que achar que era culpa minha, mais fácil culpar Laura que foi embora sem nunca nem ter estado aqui. Ah Laura, maldita Laura! Maldita! No fim, quando a ressaca chegou junto com a manhã eu recolhi minhas coisas e os pequenos pedaços de mim que ainda restavam e estavam espalhados pela casa de uma daquelas devassas e eu só lembrava que uma delas tinha namorado e que ele era policial. Eu resmunguei enconstado na porta torcendo pra que não fosse a casa da que tinha namorado e que ele não aparecesse… Ah Laura, Ah Laura, minha vida anda um inferno por sua causa, eu me olho no espelho e não me reconheço, eu olho pro céu e só vejo o negro da noite sem nenhuma estrela, eu tô morando na casa de um amigo que suspeito que seja gay e queira me comer e eu não quero dar pra ele, mas tô sem emprego e nem lugar pra onde ir, Ah Laura, Ah Laura… É cada dia uma mulher diferente de um bar diferente e quando não, uma prostituta e sempre no final aquele gosto amargo na boca de vontade de vomitar, mas elas sempre querem de novo e de novo, mesmo eu sendo grosso, estúpido, mesmo ficando com raiva e gritando, elas me ligam, elas me querem, Laura! Mas nenhuma delas é você e nenhuma delas preenche a falta que eu finjo que você me faz, e o que me dói mais é que quando me olho no espelho vejo o seu sorriso cínico, e reconheço nas minhas palavras as suas, por que sou eu que encanto elas, Laura! Sou eu que sorrio e sussurro putaria no ouvido delas, sou eu que esfrego minha mão nas coxas nuas delas por debaixo da mesa enquanto o namorado me olha achando que sou gay. Sou eu, Laura, sou eu que trago elas aqui com a promessa de um vinho caro e morangos com chantily, sou eu e apenas eu, mas a culpa é toda sua.

.

.

.

Essa é uma das Crônicas mais intensas que eu escrevi. Ela é tão boa ou melhor que a Crônica 3.
Ela mostra o bom se tornando mau.
Em contraposição com essa daqui.


Crônica 11

Ela pediu pra esperar, e eu esperei. Uma conversa boba pela internet e eu já estava todo animado, todo esperançoso. “Já falo com você, amor” e então fiquei ali, inútilmente esperando o tempo passar, ansiando que ele de repente corresse desenbestado, acelerado como meu coração, mas não: ele escoava.
Dez minutos, quinze. Quanto será que leva pra alguém morrer de ansiedade? Não que eu estivesse transmitindo isso pra qualquer um que me olhasse, eu estava impassivo, completamente compenetrado no jornal on-line que eu lia, mas que nem conseguia entender, eu poderia ler vinte vezes a mesma coisas e as palavras não entravam na minha cabeça. E de cinco em cinco minutos, eu tinha que apertar alt e tab pra ver se ela tinha respondido. Já fazia um tempo que eu saia com ela, “tempo demais” eu pensei, mas era pouco tempo se visto pelos olhos de outra pessoa, poucos meses, mas o suficiente pra mudar completamente a vida de um homem. Tudo o que ela havia mudado em mim poderia se resumir a esse momento singular: eu aqui, sentado, esperando uma resposta no msn. A maioria das pessoas não perceberia o quanto isso é importante pra mim, mas a vida sempre foi vazia, sempre foi sem graça e eu nunca tive nada pra esperar, nunca tive nada pelo que ansiar ou aguardar, tudo sempre foi absurdamente simples e vazio, sem graça. Nada doía e tudo doía por isso mesmo. Mas agora tinha essa garota, a Laura, e caramba, como eu gostava dela, quando ela sorria as coisas mudavam, quando ela me abraçava dizendo que precisava de mim eu me sentia bem, quando dormiamos juntos era algo mágico, e os momentos que compartilhavamos ao acordar eram quase como num sonho, não por que era perfeito, mas era perfeito. Isso vindo de mim. De alguém que viveu a vida rindo de romanticos, que viveu a vida inteira desacreditando totalmente do amor, tinha que significar algo a mais, certo? Tinha algo de especial nisso… Por que não era meu. Não era eu. Era uma coisa além… E quando ela respondeu “Voltei” seguido de um coração eu podia jurar que esse era o sentimento mais sincero que alguém poderia sentir por outra pessoa. Eu não a queria, ela me tornava fraco, mas eu a queria pois ela me deixava feliz. Era o sentimento mais sincero por que ia contra tudo o que eu era e acreditava, mas ainda me deixava feliz.

.

.

.

A proxima crônica é BEM foda. Aguardem.
Essa daqui mostra o mau se tornando bom.


Crônica 10

Um, dois, três cigarros, em 3 minutos. Minhas mãos trêmulas, meu olhar de choro, meu cabelo bagunçado e o copo de pinga. Às vezes uma prostituta de origem desconhecida, mas eu não ligava. Larguei meu emprego e comecei a viver na casa de um amigo e gastar muito dinheiro com bebida, cigarros e porcarias, e eu nem sabia quanto tempo poderia sobreviver assim, mas não importava. Alguns amigos meus, bem preocupados comigo, me levaram pra algumas baladas saudáveis e saídas casuais pra mostrar que eu não estava sozinho, mas não adiantava, bom talvez me impedisse de me matar de uma vez, mas não impedia a morte vagarosa que eu estava me impondo. Tem esse bar que eu tô agora, tem essa gente feia e burra que come as prostitutas todos os dias, que vive de beber e música sertaneja tocando de fundo, toda essa gente escrota, todos esses bandos de pessoas vazias, porém veja bem: eu não era diferente. Agora era um desempregado, bebado e sem qualquer perpectiva de vida, apesar da formação universitária e o mestrado incompleto. Sem trabalho, sem pesquisa, sem amor, sem nada, nem céu nem estrelas. Eu não era diferente deles. Eu não tinha nada.
Então tem esse bar e toda essa gente, com a música horrível tocando alta. Tem esse copo na minha frente e eu me vejo nele, barbado, cabelo comprido desgrenhado, a mente embreagada e o cigarro na mão que tremia demais. Tem tudo isso e um sorriso, e a mão no rosto tirando o cabelo dos olhos que incomodava e irritava tanto que dava vontade de arrancar fora num puxão, tem tudo isso e de repente uma moça, com uma amiga. Eu não estava feio. Eu não parecia um mendigo, apesar de me ver como um, eu ainda usava uma calça bonita e uma camisa de boa marca, eu ainda tinha um certo charme e acho que o fato de ter cabelo comprido e barba ajudava um pouco pra chamar a atenção. Elas puxaram assunto com algo como “Tá sozinho?” e eu respondi algo como “Sempre” com um sorriso no rosto que oferecia uma bebida. As vezes eu fico surpreso com a quantidade de pessoas solitárias nesse mundo, com quantidade de pessoas que buscam algo que não sabem o que é, e acabam achando que encontrarão naquela pessoa distante e inalcançavel, deixando de lado pessoas próximas que por estarem próximas são excluidas do grupo de coisas que faltam, no grupo das coisas ausentes que sempre buscamos, digo isso por que a aliança de namoro no dedo da garota era muito evidente. A conversa terminou com uma troca de telefones e beijos, promessas de algo melhor em outra ocasião, elas não eram prostitutas e na minha cabeça, de alguma forma, isso pareceu um avanço, então eu sorri.


Crônica 9

Eu encontrei Laura em um bar há uma semana, “por puro acaso” eu disse, mas era mentira já que eu usei todos os meus amigos pra saber onde ela estava pra eu estar lá também. Conversando sobre a nossa única noite de amor, com ela me contando coisas das quais eu não lembrava, fingindo vergonhas e arrependimentos, ela me pareceu mais encantadora e linda do que nunca. Meu coração batia rápido, muito rápido. Meus dedos tremiam segurando o cigarro, foi dificil disfarçar a voz tremida e o suor, mas eu era experiente em coisas assim. Uma vez ou outra, durante essa semana, deixei escapar um flerte exagerado, uma jura ou uma promessa que eu realmente pretendia cumprir e gaguejei e hesitei diante de oportunidades de beija-la, coisas que definitivamente não eram o meu feitio. Aquele não era eu! Aquele era alguma coisa, algum garoto inseguro, alguém inocente, coisa que eu não era, mas mesmo assim, mesmo assim, meu coração batia mais rápido do que eu podia acompanhar.

Mas ainda assim, eu desinteressadamente marquei encontros com ela, fui um pouco frio, não lhe dei espaço pra que se sentisse muito a vontade, e a instiguei a perguntar coisas sobre mim, tudo isso usando de muita força de vontade, que eu nem achei que tivesse.
Agora estou aqui uma semana depois do nosso reencontro e ela se abriu pra mim, deixando cair a máscara de “garota que não se deixa atingir”. Eu fui mais forte, não que isso importasse. Não importa. Não importa nada, mesmo.
Logo depois que ela se abriu, eu me abri, disse que eu gostava dela, que eu gostava dela como nunca havia gostado de outra pessoa. Não ache que isso foi romantico da minha parte, eu fiz isso com um cigarro na boca e sem olhar pra ela, distante e receoso.
Uma pequena guerra de argumentos se seguiu.
Ela disse que não queria ser salva, não era esse tipo de garota, eu disse que não estava ali para salva-la. Ela disse que esperava que eu salvasse e fez uma cara de triste, eu disse que eu a salvaria, ela disse que eu não entenderia, eu disse que ela também não entenderia. Eu acendi outro cigarro, vagarosamente, enquanto ela explicava que não queria nada sério, e eu só respondi: então por que está aqui? Ela ficou muda.
Eu joguei fora o cigarro e me aproximei dela e Deus, como isso foi dificil, eu segurei suas mãos e ela pode perceber que as minhas tremiam, eu disse que eu a queria, ela disse que não sabia o que fazer.
“Vem comigo, pra minha casa” eu disse. Ela veio.


Crônica 8

Por Rafael Rabelo

Somos o que o mundo faz de nós.
E o mundo me fez um monstro.

Faz tempo que não sinto nada além do gosto da bebida barata na boca e a satisfação de ter um ou dois trabalhos do mestrado prontos, então não me surpreende que ela tenha me chamado a atenção. Tou tão acostumado a jogar com elas, tentar ler seus movimentos como num filme B de kung-fu que quando sou pego de surpresa assim, acabo ficando sem fala. Na verdade, sempre fiquei sem fala em momentos assim.
Ela começou a trabalhar só há algumas semanas no observatório que eu trabalho, mas agora ela se sente como se fosse sua casa, sempre cumprimentando todos que passam por ela, sempre bem arrumada e sorridente, típica popularzinha que acaba ficando com o cara que tem o maior telescópio, por isso nem dei muita importancia. Ignorei-a o quanto pude, pois de uma certa maneira, ela me fascinava com aquele brilho estúpido de garota radiante sempre feliz. Cinco dias atrás ela começou a falar comigo, tentando puxar conversa, entende? Um ‘oi’ aqui, um ‘pega esse copo de café pra mim’ ali e finalmente um ou dois ‘e aí? como você tá?’ seguidos. E isso me pegou de surpresa de uma maneira, absurda. Começamos a conversar e ela me pareceu tão diferente das outras garotas. Por vários instantes não pensei na Laura enquanto conversava com ela: pensava nela, em como ela me fascinava e em como tinha vindo falar comigo apesar de eu não ser interessante ou particularmente especial. Talvez, só talvez, ela fosse diferente das outras garotas idiotas que seguem o mesmo padrão absurdo de se apaixonar por idiotas com charme, talvez ela só quisesse boa compania e soubesse reconhecer uma. Conversamos durante bastante tempo, saimos pra almoçar e nos entendemos muito bem, mas metade de mim ainda estava em choque, estava cercada de dúvidas e receios, mas eu basicamente fiquei feliz.
Então quando finalmente me abri pra ela, chamando sorrateiramente pra sair ela me apunhala: ela tem namorado, ela só queria ser minha amiga mas percebeu segundas intenções e me acusou de uma série de coisas que poderiam render um bom clássico infantil. Fui obrigado a rir. Sério, não havia como controlar, tinha todo aquele contexto de eu ter acreditado nela depois de todas as desilusões e ela dizendo aquelas coisas que minha sobrinha de 14 anos diz pros amiguinhos dela que tentam arrancar um beijo.
Mas era inevitável que eu cairia de novo na mesma história, havia uma parte de mim que resistia, que teimava em ter esperanças de encontrar alguma garota legal e tão perdida quanto eu. Mas não ela existia.
A insônia me atacou durante os dias seguintes e me tornei um vampiro, trocando o dia pela noite e me alimentando da minha propria alma. Eu vagava pelos corredores solitários do meu apê tentando econtrar uma resposta pro que havia acontecido e quando eu estava naquele estado semi-cosciente vendo filmes antigos na TV de madrugada, sem dormir nem acordar, eu tive um daqueles sonhos realísticos.
No sonho eu era uma pessoa que vivia entre monstros que me tratavam mal, apesar das minhas tentativas de fazer eles serem bons comigo, mas por eu não ser um monstro, era destratado e odiado. Eu comecei a odia-los, a me vingar, a sentir prazer em vê-los sofrer. Então eu me tornei um monstro.
E eu acordei vazio, sem um propósito e estava resolvido:
Simples assim, eu me tornei o monstro.

.

.

.

Grande virada de novo.
Leiam a 7 e depois essa. Fica interessante.

Bom  a poetriz pediu, eu farei: a proxima crônica, que eu já tinha comentado que estava em dúvida sobre fazer ou não, vai ser pra ela publicar.
E vai mudar drasticamente a visão dos fatos, eu espero.   😛


Crônica 7

Por Rafael Rabelo

Eu sou uma pergunta fácil de se responder.
A questão é: qual é a pergunta?

Eu acendi um cigarro pois não havia nada a ser feito. Eu sempre faço isso, fumar quando me sinto encurralado em relação a algo, e eu só reparei recentemente, deve ser porque então eu terei algo pra fazer: acender o cigarro e fumar. Há pessoas que acham que eu sou muito confiante, mas não é verdade: é só uma mistura de despreendimento, desrespeito e desatenção.
Por exemplo, aqui e agora estou olhando o livro de anotações de uma garota com quem dormi faz alguns dias e não sei o que fazer, não tenho a mínima idéia.
Comecei a me lembrar do que houve no começo da semana, aos poucos, uns pequenos flash e depois cenas inteiras como um filme na madrugada.
Eu a encontrei no bosque que sempre visito, e estava bebado e sozinho como que esperando por ela, sentando em um banco de praça.
“Me sinto vazio” eu disse, e conversamos.
Transamos, mas não devo ter sido um amante exemplar de tão chapado que eu estava, mas não poderia deixar de me dar bem.
Em seu livro de anotações havia muitas frases que me fizeram ver que não sou tão incompreeendido como achava que era… Sempre me vi vazio e sozinho vivendo uma vida sem sentido, indo com a correnteza, acomodado, aproveitando oportunidades que aparecem desde criança, mentia e iludia quando a chance aparecia sempre tirando proveito. Uma vez no colégio, sem querer, gravei uma namorada minha transando com um amigo e fiz o que era melhor: vendi na internet por 2 mil reais. Não que eu fosse mal, que eu quisesse prejudicar alguém, eu só aproveitava o que eu pudesse na hora que aparecesse, é quase um dom natural, sem planos e sem planejar, só se deixar levar.
No fim, vivia sem motivo ou propósito. Não, não no fim.
Agora há um proposito e um dilema: Laura.

.

.

.

Aguardem a próxima Crônica xD